Os Campos Sulinos

Sustentabilidade E Manejo

Os campos sulinos, em geral denominados como “pampa”, correspondem, na verdade, a somente um dos tipos de campo, encontrado ao sul do Rio Grande, no Uruguai e na Argentina. Em território sul-rio-grandense este tipo, conhecido como Campos da Campanha, se caracteriza pela presença de uma vegetação herbácea cuja fisionomia resulta dos fatores edáficos locais. Formações campestres são encontradas ainda no Planalto gaúcho e catarinense, intercalando-se com a floresta de Araucária, formando os Campos de Cima da Serra. Na região da Serra do Sudeste rio-grandense e em direção ao arroio Chuí, na divisa com o Uruguai, se estabelece uma tipologia de campo dotada de fisionomia grosseira, aproximando-se à savana. A Depressão Central é igualmente ocupada por formação campestre que, invadida por arbustos, dá origem aos chamados campos grossos. No Rio Grande do Sul, os campos parecem ser formações edáficas e não climáticas, condição que seria compatível com o domínio de florestas. Além dessa questão, a pressão de pastejo e a prática do fogo não permitem o estabelecimento da vegetação arbustiva, como se pode observar em vários trechos na área de abrangência dos campos sulinos.

Maria Luiza Porto


Principal | A revista PORT/ESP | Autores | Catálogo | Próximas edições | Como comprar |
Como publicar PORT/ESP | Livro de visitas | Equipe | Contato | UFSM
© 2002-2019 Ciência&Ambiente — Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Pierin.com