Latifúndio E Construção Do Estado

Brasil E Argentina No Século XIX

Na América Latina, o deslocamento da fronteira correu paralelo à expansão do latifúndio e à consolidação do poder das oligarquias, gerando sociedades altamente hierarquizadas. Mesmo em países como o Brasil e a Argentina, nos quais estava presente a premissa de F. J. Turner – que atestava a existência de “terras livres” e a possibilidade de sua ocupação no século XIX, levando esses países, pelo menos formalmente, a erigir a política americana de terras em modelo –, a marcha da fronteira não democratizou o acesso à terra nem mesmo para os imigrantes. Duas são as causas assinaladas para explicar esse efeito peculiar às sociedades latino-americanas: a herança do latifúndio colonial e as características da legislação agrária adotada no século XIX. Convém, no entanto, acrescentar mais uma dimensão explicativa, além dessas duas consagradas pela historiografia: a que estabelece uma relação entre o processo de concentração de poder próprio do state building e o deslocamento da fronteira, usando a experiência européia como modelo comparativo.

Ligia Osório Silva


Principal | A revista PORT/ESP | Autores | Catálogo | Próximas edições | Como comprar |
Como publicar PORT/ESP | Livro de visitas | Equipe | Contato | UFSM
© 2002-2018 Ciência&Ambiente — Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Pierin.com