Rebanhos, Searas E Roças

Uma Aproximação Da Paisagem Agrária Do Rio Grande De São Pedro No Período Colonial

A tradição e a historiografia consolidaram no imaginário regional a visão onímoda do exclusivismo pecuário, dos grandes rebanhos e da propriedade como constituintes da paisagem agrária do Rio Grande do Sul durante o século XVIII. O recurso a fontes históricas pouco utilizadas até os últimos anos, tais que censos e inventários post-mortem, permite reconhecer, no entanto, a forte presença de agricultores e o caráter misto de suas unidades produtivas, pois dedicavam-se à agricultura e à pecuária. Daí decorre que os escravos estavam presentes em ambas as atividades e não apenas nas charqueadas ou nos incipientes centros urbanos. Estamos, portanto, distantes dos binômios tradicionais e exclusivos que definem o estancieiro como peão e o lavrador açoriano como voltado ao trabalho familiar.

Helen Osório


Principal | A revista PORT/ESP | Autores | Catálogo | Próximas edições | Como comprar |
Como publicar PORT/ESP | Livro de visitas | Equipe | Contato | UFSM
© 2002-2018 Ciência&Ambiente — Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Pierin.com