Escravos Do Pastoreio

Pecuária E Escravidão Na Fronteira Meridional Do Brasil (Alegrete, 1831-1850)

Tradicionalmente, a historiografia tem prestado pouca atenção ao estudo da escravidão nas áreas de predominância da atividade pecuária. Isso é tanto mais verdade no que diz respeito ao Rio Grande do Sul, onde só recentemente se reconheceu a existência regular de trabalhadores escravos, ao lado dos peões livres, no costeio do gado. Por conseguinte, importa analisar, ainda que de forma inicial, algumas características demográficas da população escrava, sua distribuição entre os pecuaristas de diferentes envergaduras econômicas e suas ocupações nas grandes estâncias de criação de gado em Alegrete, o maior município da principal área de criação de gado do Rio Grande do Sul, a região da “Campanha”, na zona de fronteira com a República do Uruguai. As principais fontes utilizadas foram os inventários post mortem.

Luís Augusto Farinatti


Principal | A revista PORT/ESP | Autores | Catálogo | Próximas edições | Como comprar |
Como publicar PORT/ESP | Livro de visitas | Equipe | Contato | UFSM
© 2002-2018 Ciência&Ambiente — Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Pierin.com