O Pensamento Simbólico Complexo: Origens E Controvérsias

Reflexões A Partir De Evidências De Adornos, Práticas Funerárias E Arte

“Humanos modernos”, “anatomia moderna” “mente moderna”, assim podemos encontrar nos textos sobre evolução humana referências qualitativas à nossa espécie. Ao termo “mente moderna” agrega-se o conceito de pensamento simbólico complexo. Para alguns pesquisadores, o pensamento simbólico sofisticado é exclusivo do Homo sapiens. De fato, várias manifestações simbólicas, especialmente associadas à arte, florescem a partir do período Paleolítico Superior (iniciado há cerca de 40 mil anos), principalmente no atual território europeu, produto dos primeiros sapiens que ocuparam a região.* A despeito disso, pesquisas vêm recuando no tempo e deslocando no espaço o aparecimento dessa característica. Pretendemos discorrer aqui sobre algumas das evidências que indicam um pensamento simbólico mais complexo a partir da tríade adornos, práticas funerárias e arte, de forma a construir possíveis cenários, ainda que incompletos, desse desenvolvimento. Selecionamos também algumas polêmicas em torno da antiguidade de algumas expressões culturais, como exemplo da diversidade de opiniões sobre o tema.

* Mithen, S. J. Pré-história da Mente: uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

Claudia Rodrigues-Carvalho


Principal | A revista PORT/ESP | Autores | Catálogo | Próximas edições | Como comprar |
Como publicar PORT/ESP | Livro de visitas | Equipe | Contato | UFSM
© 2002-2019 Ciência&Ambiente — Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Pierin.com