Portal do Governo Brasileiro

Justificativa

A criação em 1960 da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) representou um marco importante no processo de interiorização do ensino universitário no Brasil, pois foi a primeira universidade federal a ser instalada fora de uma capital. Desde então, a UFSM vem propiciando à região a oferta qualificada de diversos cursos de graduação e pós-graduação, presenciais e a distância. Entre as graduações presenciais, a Engenharia de Produção se destaca por ser um curso recente que disponibilizou suas primeiras 40 primeiras vagas em 2009 a partir do programa REUNI. A decisão pela implantação do curso foi acertada, pois a procura pelo mesmo vem aumentando a cada ano, o que demonstra a carência desse tipo de profissional na mesorregião Centro Ocidental. Por exemplo, a relação de candidatos/vaga em 2011 foi de 6,33 já em 2013 foi de 7,13 (UFSM, 2013).

Por outro lado, apesar do curso ser novo na instituição, há forte indicativo de maturidade na qualidade do ensino, pesquisa e extensão desenvolvidos no curso de graduação. De 2009 a 2013 foram matriculados, por diferentes formas de entrada, 215 alunos dos quais, no primeiro semestre de 2013, 181 contavam com situação de matrícula regular. Isso representa uma evasão de 15,81%, valor muito abaixo da média nacional de 55% ou ainda da meta de 25% estabelecida pelo “Plano Nacional de Engenharia Pró-Engenharia” que visa melhorar o ensino nas engenharias (CAPES, 2011). Atribui-se isso a três fatores: um corpo docente qualificado com 100% de doutores no quadro efetivo departamental; um processo constante de reflexão do Núcleo Docente Estruturante na busca por um melhor currículo; e uma gestão do curso que monitora indicadores atrelados ao planejamento estratégico, realiza eventos integralizadores com os alunos e disponibiliza diferentes informações com uso de mídias sociais.

Justificativa da Reformulação Curricular do Curso de Engenharia de Produção

Esta versão do PPC-EP qualifica e amplia a formação dos discentes, em especial nas áreas de conhecimento sistematizadas pela ABEPRO. Ao realizar o cruzamento dos conteúdos de cada disciplina com os conhecimentos do engenheiro de produção, foram identificados sombreamentos de conteúdos bem como inexistência de outros inerentes às atribuições da profissão, tais como ergonomia, desenvolvimento de produto e gestão da inovação. Como consequência o Projeto Pedagógico anterior passou por adequações nos programas e bibliografias das disciplinas existentes, bem como na criação de disciplinas novas. No processo de reestruturação de conhecimentos foram discutidas e desenvolvidas, com os docentes de cada área, alternativas pedagógicas viáveis para uma abordagem construtivista apoiada, por exemplo, em aprendizagem baseada em problemas, em jogos e em softwares.

Ressalta-se a melhor distribuição das disciplinas ao longo dos semestres buscando maior homogeneidade entre as diferentes áreas de conhecimento e assim minimizando a concentração destas em algum semestre. Além disso, essa nova distribuição permite aos discentes, a partir da metade do curso, maior disponibilidade de horários não ocupados por aulas presenciais para a realização de atividades de projetos, de estágio curricular, de estágio extracurricular e de iniciação científica. Isso se dá em função da lógica adotada para que a carga horária de um semestre posterior fosse menor ou igual ao do anterior, o que consequentemente alterou a sequência aconselhada a ser percorrida pelos discentes.

Também foi dada uma importância maior para a construção de conhecimento fora do ambiente de sala de aula ao aumentar a carga horária para estágio curricular e para as atividades complementares de graduação, por se acreditar que o mesmo não se limita a esse ambiente. Outra limitação identificada foi a forma como o ensino da pesquisa estava estruturado, o que levou ao aumento dedicado ao trabalho de conclusão do curso e o desmembramento em duas disciplinas: Projeto de Pesquisa aplicada em Engenharia de Produção I e Projeto de Pesquisa aplicada em Engenharia de Produção II. Além disso, foi criada uma disciplina de Introdução à Pesquisa em Engenharia de Produção.

Para minimizar o efeito da evasão foram antecipadas e reorganizadas as disciplinas profissionalizantes e específicas. Buscando atender a estratégia do PPC a integralização e transversalidade na aprendizagem dos conteúdos e para aumentar o senso de identificação do discente com o curso que está realizando, foram alterados os programas das disciplinas Introdução a Engenharia de Produção (primeiro semestre) e Projeto integrado em Engenharia de Produção (penúltimo semestre), pelo uso da aprendizagem baseada em problemas aplicada em um projeto.