RESUMO FEITO PELA BOLSISTA DANUSA DO CARMO.

 

Livro: BOHR - O arquiteto do átomo

Autora: Maria Cristina B. Abdalla

Série Imortais da Ciência, coordenação Marcelo Gleiser

 

O livro inicia contando sobre a infância e a juventude do físico dinamarquês Niels Henrik David Bohr, começando pela data do seu nascimento em 7 de outubro de 1885 até 1911, quando recebe uma bolsa para trabalhar com o físico Joseph  John Thomson, em Cambrige. Dentro desse capítulo aparecem descrições sobre a origem da família Bohr, a infância e adolescência de Bohr, seus estudos na Universidade de Compenhague, Dinamarca. Também fala do encontro com Margrethe Nourlund, sua esposa, e do seu doutorado.

O segundo capítulo conta toda a trajetória de Bohr para construir o modelo átomo. Para isso, a autora escreve uma breve história do átomo, o conceito de linhas espectrais, fala sobre a fórmula de Balmer, a dualidade onda e partícula. Também fala sobre o encontro de Bohr com Rutherford, de onde pouco depois Bohr concluiria que o átomo de hidrogênio contém apenas um elétron na camada externa e o átomo de hélio, dois elétrons; fala do seu primeiro modelo para o átomo de hidrogênio, de onde provêm seus postulados: (1) em uma orbita estacionária o elétron não perde energia e (2) quando o elétron decai de uma orbita a para uma órbita b a energia associada ao decaimento é dada pela diferença de energia entre as duas órbitas. Por fim, conta sobre a construção do Instituto de Física Teórica, do encontro de Einstein e Bohr, promovido pelo amigo em comum Ehrenfest e do recebimento do Prêmio Nobel de Bohr, em 1922, pelas suas investigações sobre a estrutura dos átomos e sua radiação.

No terceiro capítulo temos a descrição da formulação da Mecânica Quântica. As formulações são descritas na seqüência: Trabalho BKS sobre a não-conservação da energia no nível microscópico; experimento de Compton, ajudando no impasse da não-conservação da energia no nível microscópico; De Broglie propôs que, da mesma forma que o fóton era visto como partícula e onda, a matéria também deveria apresentar caráter dual; Princípio de exclusão de Pauli; Efeito Zeeman; Mecânica Quântica Relativística e a descoberta da equação de onda relativística para o elétron, proposta por Dirac; reformulação do Princípio de Exclusão de Pauli: somente dois elétrons que possuam spins opostos podem ocupar certa órbita quântica; Schrödinger usou funções de onda para representar o elétron; Princípio da Incerteza de Heisenberg; Princípio da Complementaridade. Terminando com a conferência de Solvay de 1930.

O quarto capítulo é sobre a relação entre a Mecânica e as forças nucleares. Aqui são descritos campos elétricos quânticos, a descoberta do nêutron e do neutrino, aplicações biológicas de radioisótopos artificiais, a perseguição de Hitler a Einstein e o refúgio de outros físicos, o paradoxo Einstein – Podolski - Rosen (EPR), modelos de núcleos compostos, o problema da fissão do urânio e o urânio 235.

No quinto capítulo, a autora faz uma sucinta descrição dos fatos marcantes durante a II Guerra Mundial. A autora expõe, focando nos físicos da época, e é claro em Bohr, a perseguição feita por ordem do governo alemão a alguns deles, e também fala dos que foram colaboradores de Hitler.

O sexto capítulo conta os fatos pós-guerra ocorridos na vida de Bohr até a sua morte, em 17 de novembro de 1962. Fala da criação da CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) e do Nordita (Instituto Nórdico de Física Atômica Teórica), do Projeto de Energia Nuclear Nacional, do prêmio Átomos para a Paz, dos estudos de Bohr para aplicação da Mecânica Quântica em outras áreas do conhecimento e do dia de sua morte.

O último capítulo dedica-se a uma espécie de homenagem ao grande homem que foi Bohr (não só ao Físico Bohr), referindo-se a ele como imortal. Aqui a autora expõe sua admiração sobre Bohr.

O livro termina com um glossário com os conceitos da Física presentes no livro e logo após a cronologia da vida de Bohr.

Danusa do Carmo

Física Licenciatura



VOLTAR