PPGA

                                                                                                                                  
     Inicial Mestrado Acadêmico Disciplinas

CÓDIGO: CIE841

DISCIPLINA: ECONOMIA INDUSTRIAL

CARGA HORÁRIA: 60 horas/aula                04 CRÉDITOS

 

1. EMENTA

Conhecer conceitos e abordagens para analisar sistemas de produção, setores e políticas industriais        

2. BIBLIOGRAFIA:

AZEVEDO, P.F. Integração vertical e barganha. São Paulo, 1996. 220p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

BATALHA, M. O. (Coord.) Gestão agroindustrial. 2. ed., São Paulo: Atlas, 2001.

BRITO, J. Diversificação, competências e coerência produtiva. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

CANO, W.; SILVA, A.L.G.da. Política industrial do Governo Lula. Campinas: IE/UNICAMP, 2010. (Texto para Discussão).

CARLTON B.; PERLOFF, J. Modern industrial organization. Harper Collins, 1990.

COUTINHO, L.C.; FERRAZ, J.C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus, 1995.

DAHLSTROM, R.; NYGAARD, A. Scientific Background: Oliver E. Williamson’s Contributions to Transaction Cost Economics. Journal of Retailing, v. 86, n.3, p. 211–214, 2010.

DIESSE. Considerações sobre o Plano Brasil Maior. Disponível em: http://www.dieese.org.br/notatecnica/notaTec102PlanoBrasilMaior.pdf .Acesso em: nov. 2011.

FEIJÓ, C. A.; VALENTE, E. A firma na teoria econômica e como unidade de investigação estatística: evolução nas conceituações. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, n. 8, p. 351 – 376, jul./ dez. 2004.

FIANI, R. Teoria dos custos de transação. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

FONTENELE, A. M. de C. Progresso e método na história das teorias da organização industrial. São Paulo, 1995. 375p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP).

GEREFFI, G.; HUMPHREY, J.; STURGEON, T. The governance of global value chains. Review International Political Economy, v.12, n.1, p. 78-104, 2005.

KON, A. Economia Industrial. São Paulo: Nobel, 1994. 212p.

KUPFER, D.; HASENCLEVER, L (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

LUTZ, C.H.M.; KEMP, R.G.M.; DIJKSTRA, S.G. Perceptions regardings strategic and structural entry barriers. Small Bus Economic, n.35, p.19 – 33, 2010.

MAC DOWEL, M.C.; CAVALCANTI, J. C. Contribuições recentes à teoria da integração vertical (mimeo). Disponível em: http://www.decon.ufpe.br/integ1.htm. Acesso em: jul. 2010.

MARION FILHO, P.J. A evolução e a organização recente da indústria de móveis nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Piracicaba, 1997. 151p. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” ESALQ/USP.

MARION FILHO, P. J., DALLA CORTE, V. F. Estrutura, conduta e desempenho da indústria de massas alimentícias do Rio Grande do Sul (2001-2007). Revista Gestão Industrial. v.6, n.3, p.115 - 135, 2010.

MARION FILHO, P. J.; CASALI, M. da S. Custos de transação e governança na produção de leite em Cruz Alta. Revista de Economia e Administração, v. 11, n. 3, jul./set. 2012.

PORTER, M.E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

POSSAS, M.L. Estrutura de mercado em oligopólio. São Paulo:Hucitec, 1990. 191p.

ROSA, L. C. da. Contribuição metodológica para análise estrutural de sistemas agroindustriais: um estudo do segmento produtor de vinhos finos do Rio Grande do Sul. Florianópolis, 2001. 179p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina.

SCHERER, F. M.; ROSS D. Industrial market structure and economic performance. 3.ed. Chicago: Rand McNally & Co, 1990.

SETIAWAN, M.; EMVALOMATIS, G.; LANSINK, A. O. The relationship between technical efficiency and industrial concentration: evidence from the Indonesian food and beverages industry. Journal of Asian Economics, n.23, p. 466 – 475, 2012.

SOARES, C. S.; CORONEL, D. A.; MARION FILHO, P. J. A recente política industrial brasileira: da “Política de Desenvolvimento Produtivo” ao “Plano Brasil Maior”. Perspectivas Contemporâneas, v. 8, n. 1, 2013.

SUZIGAN, W. Experiência histórica da política industrial no Brasil. Revista de Economia Política, v.16, n.1, jan./mar., 1996.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J. Instituições e políticas industriais e tecnológicas: reflexões a partir da experiência brasileira. Estudos Econômicos, v.40, n.1, p.7-41, jan./mar., 2010.

TIGRE, P.B. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea, n.3, jan.-jun., 1998.

WILLIAMSON, O. E. As instituições econômicas do capitalismo. São Paulo: Pezco Editora, 2012.

ZYLBERSZTAJN, D. (Coord.) Estudos de caso em agribusiness: o processo de tomada de decisões nas empresas brasileiras. Porto Alegre: Ortiz, 1993.